Quem atendeu o convite?


A parábola das bodas ou do banquete de casamento fala acerca de um convite feito por um rei para a festa de casamento de seu filho. O significado está relacionado ao convite que Deus fez à nação eleita, sendo estendido à todas as nações do mundo, para comunhão eterna com Ele, através de Seu Filho Jesus.

 

Mateus 22:1-14. 

V – 4: Depois, enviou outros servos, dizendo: Dizei aos convidados: Eis que tenho o meu jantar preparado, os meus bois e cevados já mortos, e tudo já pronto; vinde às bodas.

V – 5: Eles, porém, não fazendo caso, foram, um para o seu campo, outro para o seu negócio;
V - 6: E os outros, apoderando-se dos servos, os ultrajaram e mataram.


O Contexto do texto

Alguns sacerdotes e líderes religiosos questionam a autoridade de Jesus que tinha acabado de entrar em Jerusalém aclamado e louvado pelo povo.

Os líderes, cheios de inveja e rejeição, já tinham decidido matar Jesus e agora só precisavam pegá-lo em alguma cilada. (Mateus 21:24-27).

 

Jesus ensina os mestres e ao povo contando 3 parábolas:

Parábola dos Dois Filhos (Mateus 21:28-33).

V – 28: Mas, que vos parece? Um homem tinha dois filhos, e, dirigindo-se ao primeiro, disse: Filho, vai trabalhar hoje na minha vinha.
V – 29: Ele, porém, respondendo, disse: Não quero. Mas depois, arrependendo-se, foi.
V – 30: E, dirigindo-se ao segundo, falou-lhe de igual modo; e, respondendo ele, disse: Eu vou, senhor; e não foi.
V – 31: Qual dos dois fez a vontade do pai? Disseram-lhe eles: O primeiro. Disse-lhes Jesus: Em verdade vos digo que os publicanos e as meretrizes entram adiante de vós no reino de Deus.

Parábola dos Lavradores Maus (Mateus 21:33-45).

V - 33: Ouvi, ainda, outra parábola: Houve um homem, pai de família, que plantou uma vinha, e circundou-a de um valado, e construiu nela um lagar, e edificou uma torre, e arrendou-a a uns lavradores, e ausentou-se para longe.
V – 34: E, chegando o tempo dos frutos, enviou os seus servos aos lavradores, para receber os seus frutos.
E os lavradores, apoderando-se dos servos, feriram um, mataram outro, e apedrejaram outro.
V - 35: Depois enviou outros servos, em maior número do que os primeiros; e eles fizeram-lhes o mesmo.
E, por último, enviou-lhes seu filho, dizendo: Terão respeito a meu filho.
V - 36: Mas os lavradores, vendo o filho, disseram entre si: Este é o herdeiro; vinde, matemo-lo, e apoderemo-nos da sua herança.
V - 37: E, lançando mão dele, o arrastaram para fora da vinha, e o mataram.
Quando, pois, vier o senhor da vinha, que fará àqueles lavradores?
V – 38: Dizem-lhe eles: Dará afrontosa morte aos maus, e arrendará a vinha a outros lavradores, que a seu tempo lhe dêem os frutos.

Explicação da parábola

A parábola das bodas diz respeito a um convite para uma festa de casamento. A comparação da festa de um rei para homenagear ao filho, do convite e rejeição dos convidados, e dos novos convidados honrando o convite do rei são representações diretas do que Jesus estava ensinando aos Seus ouvintes.

Na história, a ilustração demonstra que se tratava de um convite importante. Para qualquer pessoa, ser convidado pelo rei. Estar presente deveria ser um privilégio, motivo de alegria e grande expectativa para todos do reino, com a continuidade da realeza.

 

Os convidados

Os convidados iniciais da festa rejeitaram o convite do rei. Vale lembrar o contexto anterior; Jesus está, alertando os líderes religiosos que o rejeitaram. Eles é que são, basicamente, as pessoas que recusaram o convite do rei.

A segunda remessa de convidados não rejeitou ao convite. Eram pessoas das regiões próximas da cidade, pessoas comuns, que aceitaram o convite. Não eram pessoas famosas, com muitas posses.

Recusar o chamado de Deus significa desprezar ao Senhor. Os convidados iniciais rejeitaram, pois, o interesse particular deles vinha em primeiro lugar.

 

A roupa da festa

Na parábola, havia um homem, que foi retirado da festa, por não estar devidamente trajado para aquela ocasião. A questão da roupa, ou de como estar vestido, é algo peculiar na Bíblia. Mais do que uma cobertura para o corpo, muitas vezes a referência às vestes pode estar se referindo a questões espirituais ou morais.

Em Gênesis 3:5-7, Adão e Eva ficaram envergonhados quando descobriram estar nus, depois de terem comido o fruto proibido. Esta “nudez” pode ser vista algo simbólico, pois, ao serem persuadidos pela serpente, eles pecaram contra uma ordem direta de Deus. 

 

O que podemos aprender com esta parábola? O convite de Deus foi e é para todas as pessoas, “boas e más”, sem distinção.

A ideia de ir por toda parte, convidar a todos que encontrarem e ir em busca das pessoas, aponta para a missão de todo crente, os servos do Rei. Os discípulos de Jesus devem anunciar as “boas-novas” a todas as pessoas sem distinção (Mateus 22:9).

Recusar o convite feito por Deus não deve ser uma atitude nossa. Mas devemos aceitá-lo como um grande privilégio e honra, reconhecendo que precisamos agradar a Deus e ao Seu Filho, para estarmos com ele no Seu Reino eterno.


Por Geciano Vieira

Instagram: @geciano_vieira

Tiktok: @geciano_vieira

Kawai: @geciano_vieira

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.